Pular para o conteúdo principal

Postagens

No deserto

No deserto, há uma voz que grita.
O que ela está fazendo lá, tão longe e solitária?
O que ela quer gritando para o nada e o ninguém?
Se perguntam os poderosos do alto de suas coberturas escondidas e o cidadão de bem do alto do seu medo de transgredir a zona de conforto de sua ignorância .

No deserto, uma voz grita.
Ela toca todos os marginais, os desprovidos e os dispostos a lutar. Só estes tem o ouvido na sintonia certa para capta-la e se juntarem a ela, sem medo, pois não há nada mais para perder. Ela clama uma nova revolução, uma nova rebelião que nem todos tem punho para suportar.

Quando uma voz se torna muitas, ela sai dos desertos, guetos e cantos esquecidos. São rugido, o barulho que anuncia a bala de um canhão. Tem o peso de construir ou destruir quem está no poder.


Por quem ou para quem você quer gritar hoje?

Subplot

Se eu contar quantas vezes eu apareci naquele filme*, talvez daria um total de 5 minutos. Cinco minutos em que minha existência não faz nenhum sentido, não agrega nada a sua- ou nossa - estória.

Cena um: você, o policial marrento e fodão - o tipo que toda cara desejou ser um dia - chega em casa depois de uma noite de lutas, álcool e surras em testemunhas ou suspeitos. Acho que para você isso não faz diferença. Ao ouvir a sua presença caótica, desço a escada em fúria. Como a típica esposa louca do cinema, meu primeiro grande ato é discutir com você que exibe sinais claros do cansaço da noite anterior. Eu recebi, por engano, a mensagem que você gostaria de ter mandado para alguma outra garota. Como a típica esposa louca do cinema, decido nesse instante que quero divórcio e parto com minhas filhas.

Em meio a tantas decisões que parecem precipitadas, ninguém se importa em dizer a quanto tempo eu aguento as suas merdas, os seus chifres, a sua falta no que deveria ser um lar feliz. Assim …

O lugar de ser mulher

Quando eu saio na rua, de saia ou de shortinho, apenas para sentir o carinho do vento na minha pele, dizem que estou cruzando a linha ou que estou dando permissão para ser agredida.
Quando eu decido amar estrias, celulites e qualquer outra marca minha, sempre me jogam a beleza que está estampada na capa da revista, na tevê e no Instagram, sempre inacessível.
O que é que tem no nosso corpo que faz dele nunca ser, de fato, nosso?

Quando estou ganhando meu pão em que parte do contrato está escrito que posso ser apalpada, caçada e subestimada? Em que parte diz que preciso ficar calada?
Quando estou lutando pelo meu lugar ao sol, em que parte do contrato está escrito que sou apenas uma cota, que este não é um lugar para mim? Que devo ser uma megera mal amada?
O que é que tem nas nossas carreiras que faz delas nunca serem respeitadas?

Quando sou aberta sobre tocar todas as partes do meu e outros corpos, já logo dizem que não posso estar em um altar.
Quando esse tipo de papo já não me …

01

"Sou meu próprio Deus, meu próprio santo, meu próprio poeta
Me olhe como uma tela preta, de um único pintor
Só eu posso fazer minha arte
Só eu posso me descrever
[...]
Se você não se enquadra ao que esperam
Você é um 
Bluesman"
Baco Exú do Blues - BB King

Tenho a mão fechada sobre a maçaneta, com coragem o suficiente para chegar até a porta e só. Dentro do meu peito, coração e pulmões estão paralisados de uma dor que só minhas emoções sombrias podem me infligir. Sei que posso ficar encarando o desconhecido por horas, mesmo que seja para recuar acovardada depois.

Um impulso elétrico de origem desconhecida (para mim) atinge meus músculos e a minha mão tem a audácia de abrir a porta. Lá dentro, há teias, mofo e abandono. Não quero acender a lâmpada e me deparar com os esqueletos de todas minhas desistências, de tudo que deixei pela metade. O ar me comprime e quero me cuspir dali.

Antes de vacilar e me entregar, minhas mãos tocam a madeira gasta, o caderno enrugado, um desejo anti…